sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Fora Renan ou Abaixo o Senado

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Este filme eu já vi: golpistas, disfarçados de democratas, usam a democracia para destruir a democracia. Ovo da serpente? No caso brasileiro, segundo o jornalista Paulo Moreira Leite, é mais adequado falar em omelete. Segue na íntegra:
Apareceu o ovo da serpente nos protestos contra a escolha de Renan para presidente do Senado. Estava lá, num pequeno cartaz de protesto.
“Fora Renan ou Abaixo o Senado.”
Acho que não é preciso dizer mais nada. É preciso refletir sobre o que está em curso no Brasil, hoje.
Os fatos concretos são: acusado mas não condenado por ter apresentado notas frias para justificar o pagamento de pensão à mãe de uma filha fora do casamento, Renan Calheiros foi eleito por larga margem para a presidência do Senado. Isso é constrangedor?
Sim. (Eu mesmo me sinto constrangido por falar tanto neste assunto. Mas, o que fazer?)
Mas vamos combinar. Não é motivo para se propor uma medida anticonstitucional como fechar o Senado. Isso é golpe.
É contra a democracia. O verdadeiro escândalo está aqui.
Mas é curioso que esse cartaz tenha sido erguido em frente frente às câmeras de fotógrafos e cinegrafistas do país inteiro, sem chamar a atenção de ninguém. Não vi um comentário, uma crítica. Ou o pessoal não reparou. Ou percebeu mas achou que não tinha importância…
A naturalidade exibida pela capital de nossos repórteres investigativos diante de uma demonstração abertamente antidemocrática chama a atenção.
Enxerga-se aquilo que se quer ver.
Há antecedentes. Todo mundo já leu que, em 1949, o Congresso cassou o mandato do deputado Edmundo Barreto Pinto. Por quê? Porque a revista O Cruzeiro publicou uma foto do parlamentar, do PTB, de fraque e de cuecas. Considerou-se um grave atentado ao pudor e o deputado perdeu seu mandato.
A história real é outra.
O fotógrafo Jean Manzon e o repórter Davi Nasser foram fazer uma entrevista com o deputado. Mas eles chegaram antes da hora, quando Edmundo ainda se vestia. Autorizado, Jean Manzon fez as fotos. Ficou combinado que a revista só publicaria a imagem da cintura para a cima.
Não foi o que se fez.
A partir de um ato desleal, criou-se uma imagem que servia para alimentar o “abaixo o senado” da época.
O episódio ajuda a lembrar que um meio de comunicação também pode mentir para atacar a democracia. Ninguém percebeu que a foto da cueca era um acidente, uma trapaça.
O verdadeiro escândalo foi a mentira dos repórteres.
Não custa reparar no contexto da época. Edmundo era parlamentar getulista, ditador que fora afastado por um golpe militar.
Mas em 1949 seu sucessor, Eurico Dutra, era um presidente impopular, que cumpria um ideário político liberalizante, de alinhamento com os Estados Unidos, abertura às importações e arrocho salarial. (Seu governo congelou o mínimo por 4 anos.)
Vargas preparava seu retorno, que seria um triunfo eleitoral. Um ano antes do pleito, a foto foi uma tentativa de desmoralizá-lo pelo esculacho de um aliado político.
A anti-democracia estava em alta, no período. Em 1947, o Partido Comunista Brasileiro, que tinha um senador e 14 deputados, foi colocado na ilegalidade.
Ovo da serpente? No caso brasileiro é mais adequado falar em omelete, vamos combinar…
FONTE:Ailton Medeiros / BLOG O CIDADAO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.

  ÃE E FILHA DE SANTANA DO MATOS MORREM EM GRAVE ACIDENTE NA BR-304 PRÓXIMO A LAJES Postado por Assú Noticia às 20:33 Da...