quarta-feira, 17 de junho de 2015

Agricultura Familiar é a Grande Responsável pelo Processo de Erradicação da Fome no Brasil, diz ONU


Em Relatório divulgado na última terça-feira (16) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a ONU aponta o Brasil como referência no combate a fome e destaca a importante contribuição da agricultura familiar para essa realidade. Segundo o relatório, o Brasil conseguiu diminuir em 50% o número de pessoas que passam fome e saiu do Mapa Mundial da Fome neste ano de 2014. Políticas de fomento à produção agrícola – como o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar e o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar – PAA são citadas pela ONU como fundamentais para esses avanços do país.

O diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Daniel Balaban ressalta que 70% do consumo interno do Brasil é proveniente da Agricultura Familiar. Ele afirma que os pequenos agricultores que antes largavam suas terras em busca de emprego na cidade, hoje, graças às políticas de incentivo do governo, permanecem no campo, recebem capacitação técnica, e, têm garantia de venda dos seus produtos. 

Para a ONU, o desempenho brasileiro é um marco. Hoje, o país tem 3,4 milhões de brasileiros que passam por insegurança alimentar, o que representa apenas 1,7% da população brasileira. A porcentagem de 5% é o limite que determina se um país superou o problema da fome.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) parabenizou o governo brasileiro pelos importantes passos institucionais e, implementação de marcos legais que possibilitaram os avanços no combate à fome no Brasil. De acordo com o coordenador residente do sistema das Nações Unidas no Brasil, Jorge Chediek, “a insegurança alimentar é um tema complexo, que não se resolve apenas com o aumento da produção ou da distribuição de alimentos, mas com uma multiplicidade de ações e programas que o Brasil vem desenvolvendo muito bem”.

Conforme o estudo, os gastos federais do ano de 2013, com programas e ações de segurança alimentar e nutricional no Brasil totalizaram cerca de 78 bilhões de reais. Os investimentos em programas sociais aumentaram mais de 128% entre os anos de 2000 e 2012, enquanto a parcela desses programas no Produto Interno Bruto aumentou 31%. Neste mesmo ano, os programas relacionados com a produção e distribuição de alimentos, inclusive os destinados à promoção da agricultura familiar, foram responsáveis por um sexto do total de gastos federais em programas e ações de segurança alimentar e nutricional.

A representante adjunta da FAO para América Latina e Caribe, Eve Crowley disse que o Brasil é um grande exemplo para mundo por estabelecer como prioridade nacional a causa do combate à fome.


Via: Gilberto Dias


O   CIDADAO

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.