domingo, 31 de janeiro de 2016

É crime contra a vida fechar o Hospital da Mulher de Mossoró! 

 

 

BLOG    O   CIDADAO 


O governador Robinson Faria (PSD) disse que não é desejo seu fechar o Hospital da Mulher de Mossoró. Foi em 2015, no momento em que haviam sinais de esvaziamento da unidade de saúde materno infantil, denunciados pelos setores da imprensa. 
A palavra do governador, porém, está sendo desafiada pelo secretário de Saúde Pública do Estado, médico Ricardo Lagreca, que tem sido acusado de comandar o sucateamento do hospital para justificar o fechamento.

A denúncia parte de médicos do corpo clínico, indignados com o que está acontecendo naquela unidade de saúde. Segundo relato que chegou à coluna, a Secretaria de Saúde deixou de fazer manutenção nos equipamentos, provocando problemas de toda a ordem. Por consequência, dos nove leitos da UTI adulto, apenas dois estão funcionando. Os outros sete estão impossibilitados pela fragilidade dos equipamentos e a falta de manutenção.

O relato também aponta que médicos pediatras estão arcando do próprio bolso despesas com compra de materiais diversos para evitar a paralisação no atendimento. Na lista de compra dos profissionais estão fita de HGT, cabo de oxímetro, lâmina de laringo e válvulas para respiradores mecânicos. São materiais necessários para manter em funcionamento os leitos de UTI neonatal.

Se é verdade, e é, o governador Robinson tem a obrigação de assumir de público o que o seu governo pretende fazer com o Hospital da Mulher. Se mantém a palavra de não fechá-lo, que anuncie medidas e investimentos urgentes para salvar a unidade. Do contrário, diga aos mossoroenses por que o hospital deve ser fechado.

Há uma linha de desconfiança que aponta para um processo de esvaziamento do Hospital da Mulher para transferir os recursos de saúde para o complexo Apamim, onde existe a Maternidade Almeida Castro sem estrutura para atender a demanda de Mossoró e região.

Deve ser dito, e lembrado, que o Hospital da Mulher foi instalado há quatro anos em virtude das limitações da Almeida Castro. Na época, mulheres gestantes eram transferidas para cidades do vizinho Ceará em situação abaixo da condição humana, sob risco de morte, num cenário de completa agressão à vida da gestante e do bebê.

Se o governo fechar o Hospital da Mulher, limitando a assistência à Maternidade Almeida Castro, aquele cenário voltará, sem nenhuma dúvida.

Então, o governador precisa assumir a sua responsabilidade, não permitindo que um equipamento da importância do Hospital da Mulher seja fechado em nome de interesses outro.

Blog do César Santos

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.