sexta-feira, 25 de março de 2016

Dilma concede entrevista a imprensa internacional e é vista como uma pessoa desequilibrada 

BLOG   O   CIDADAO

Dilma posa para foto para o repórter do jornal alemão Die Zeit, Thomas Fischermann, antes da entrevista

Dilma dá entrevista a imprensa internacional e passa a impressão de ser uma mulher desequilibrada e desconectada da realidade.

A presidente Dilma Rousseff reuniu representantes de imprensa internacional para apresentar sua versão dos fatos sobre o que ocorre no Brasil nos dias de hoje. Dilma falou com jornalistas do The New York Times (Estados Unidos), El País (Espanha), The Guardian (Inglaterra), Pagina 12 (Argentina), Le Monde (França) e Die Zeit (Alemanha).

"Alegre", A presidenta Dilma procurou demonstrar confiança na entrevista que concedeu a seis jornais estrangeiros, mas acabou exagerando um pouco na dose. Embora discretos, os jornalistas estranharam sua confiança excessiva, dada a sua situação extremamente delicada perante a opinião pública, o Congresso, onde sofre um processo de impeachment, o TSE, onde tem suas camapnhas investigadas por uso de dinheiro desviado da Petrobras e por último, no STF, onde pode ser investigada por crime de responsabilidade, por ter tentado obstruir a justiça cedendo um ministério à um investigado.

Dilma não ficou nenhum pouco constrangida ao afirmar aos jornalistas estrangeiros que o pedido de afastamento em curso “não tem fundamentos legais”. Dilma colocou a culpa no presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por aceitar o pedido de impeachment contra ela, e lembrou que ele está envolvido em várias denúncias de corrupção.

O americano New York Times não se convenceu com a tentativa de vitimização de Dilma e explica a seus leitores que, além do impeachment na Câmara dos Deputados, a presidenta e o vice-presidente, Michel Temer, sofrem processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que pode determinar a cassação dos mandatos de ambos caso se confirme receberam dinheiro ilegal do esquema de corrupção da Petrobras em suas campanhas de 2010 e 2014. Isso pode, lembra o jornal, abrir caminho para novas eleições no Brasil.

Ao ser questionada se aceitará a decisão do Congresso, caso venha a ter seu mandato cassado, Dilma afirmou que “apelará com todos os métodos legais possíveis”, fingindo ignorar que neste caso, não há apelação. Caso venha a ser cassada pelo congresso ou pelo TSE, será uma decisão soberana.

Dilma também voltou a acusar a oposição de não aceitar o resultado eleitoral de 2014 e de apostar na estratégia do “quanto pior, melhor” para o país, como se a oposição brasileira tivesse alguma competência. A imprensa internacional sabe que, com esta narrativa, Dilma tenta ocultar o fato de que todo o repúdio da nação contra ela teve início logo após sua posse, quando os brasileiros constataram que tudo que ela disse durante sua campanha foi mentira e que ela escondeu a gravidade da situação econômica do país. Ela tenta colocar a culpa numa oposição inepta, quando na verdade, todos os políticos, inclusive da oposição, não eram aceitos pelo povo durante as manifestações.

“Nós nunca vimos tanta intolerância no Brasil. Nós não somos um povo intolerante”, disse Dilma, que logo ficou desconcertada após se lembrar que foi alvo das maiores manifestações populares da história do Brasil. Diante do silêncio dos jornalistas, Dilma tentou minimizar o fato, afirmando que menos de 2% da população brasileira foram às ruas.

Mas o que mais impressionou os jornalistas foi o isolamento da realidade vivido por Dilma num momento tão crítico. A presidente disse, segundo o New York Times, que não é agradável o momento que está passando, mas que apesar disso não é uma “pessoa depressiva”. Sorrindo, Dilma garantiu ao jornalista:“Eu durmo bem a noite toda”, Por fim, a presidente afirmou que vai conseguir reconquistar o amor dos brasileiros.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.