sábado, 26 de março de 2016

Durante o mensalão, PF acusou novo ministro da Justiça de obstruir investigações





O vice-procurador-geral, Eugênio Aragão, que chegou a participar do grupo terrorista de luta armada MR-8, entre 1978 e 1980, foi acusado em um relatório da PF de obstruir investigações durante o Mensalão.
As informações são da Folha:
Aos 54 anos de idade, e com mais de 25 anos de carreira no Ministério Público Federal, Aragão é um homem acostumado à controvérsia. Em 2005, um relatório interno da Polícia Federal acusou Aragão de atuar em conjunto com o DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional) na tentativa de “criar obstáculos” para o acesso da polícia a documentos sobre a movimentação financeira do publicitário Duda Mendonça no exterior.
Responsável pela campanha que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, Duda recebeu R$ 11 milhões do esquema do mensalão no exterior, mas acabou inocentado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do ano passado.
A PF acusou Aragão e o DRCI de “influenciar” autoridades dos EUA a não repassar documentos sobre as contas de Duda Mendonça. O caso foi levado ao Conselho Superior do Ministério Público Federal, que encontrou “indícios de punibilidade”, mas mandou arquivar o processo. Aragão afirma que foi absolvido pela “negativa de existência do fato” e que não fez nada para ajudar Duda.
Em 2006, Aragão foi flagrado em conversas telefônicas gravadas por uma operação da Polícia Federal pedindo a ajuda do ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) para conquistar uma vaga no Superior Tribunal de Justiça.
De acordo com a gravação, Aragão pediu a Greenhalgh que falasse sobre o seu caso com o ministro Gilberto Carvalho, então chefe de gabinete de Lula e hoje chefe da Secretaria-Geral da Presidência. Na conversa grampeada, Greenhalgh diz que teria falado com Lula e “um monte de gente” se soubesse do seu interresse pela vaga no STJ.”
Eugênio Aragão, vice-procurador-geral e novo ministro da Justiça (foto: Luiz Silveira - Agênia CNJ)
Eugênio Aragão, vice-procurador-geral e novo ministro da Justiça (foto: Luiz Silveira – Agênia CNJ)
YARPP

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.