sábado, 20 de agosto de 2016

Duque retoma negociação de delação com a Lava Jato: um risco para Lula, Dilma e o PT

 

POSTADO POR BLOG  O CIDAD

AGORA A CASA CAIU, ENTRE PT, LULA E DILMA, COMPLICOU A SITUAÇÃO , NÃO TEM MAIS SAÍDA NÃO  !!!

O ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato de Souza Duque, condenado na Operação Lava Jato há mais de 50 anos de prisão como braço do PT no esquema de propinas na Petrobrás, retomou as negociações para um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal. Detido há um ano e cinco meses, em Curitiba (PR), o conteúdo de suas revelações envolve o partido, a presidente afastada Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sistemática de cartel e corrupção na estatal – com rombo reconhecido até aqui de R$ 6,2 milhões.
Lula é um dos pontos centrais das negociações com a força-tarefa da Lava Jato. Além de confirmar que o ex-presidente sabia do esquema, o ex-diretor da estatal teria provas documentais para apresentar. As tratativas são feitas com membros da Procuradoria Geral da República (PGR), por citar políticos com foro privilegiado, e da Procuradoria, em Curitiba.
A colaboração do ex-diretor – se for aceita pela Procuradoria e homologada pela Justiça – pode ser a primeira a ligar diretamente Dilma ao esquema sistematizado de corrupção como “regra do jogo” na Petrobrás, a partir de 2004 e que vigorou até 2014. Nesta semana, a presidente afastada virou alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por tentativa de obstrução às investigações.
No esquema alvo da Lava Jato, diretores indicados e sustentados nos cargos por partidos, em especial PT, PMDB e PP, tinham orientação expressa de seus “padrinhos políticos” para “ajudarem” as legendas com obtenção de recursos de empresas contratadas pela estatal. Obras de refinarias de mais de R$ 20 bilhões, como a Abreu e Lima, em Pernambuco, o pacote de construção de plataformas de exploração de petróleo para o pré-sal, negócio de US$ 21 bilhões, tiveram desvios de 1% a 3% já comprovados em juízo.
O braço direito de Duque na estatal, Pedro Barusco, confessou em delação, fechada em 2015, que o PT teria recebido em dez anos mais de R$ 100 milhões em propinas, segundo suas estimativas, via Diretoria de Serviços. Espécie de contador informal do dinheiro da corrupção que entrava para a área controlada pelo partido, ele entregou os registros dos valores recebidos via ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto, identificado com o codinome Moch – referência à mochila preta usualmente carregada por ele. Informações do Estadão.

Blog do BG:

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é importante para que possamos desenvolver um bom trabalho.