Atibaia: o futuro de Lula, e do PT, nas mãos da juíza Gabriela Hardt

 

POSTADO POR BLOG  O CIDADAO

Agora, Lula encara um caso considerado por especialistas ainda mais difícil para sua defesa, o do sítio de Atibaia (/)
Depois de visitar a orla da Barra da Tijuca e fazer churrasco para seguranças nesse domingo, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, chega apenas na terça-feira a Brasília para dar prosseguimento aos trabalhos de transição de governo. Esta semana ele dividirá os holofotes com seu principal antagonista político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Condenado a 12 anos de prisão pelo processo do tríplex do Guarujá, Lula encara, agora, um caso considerado por especialistas ainda mais difícil para sua defesa, o do sítio de Atibaia. Na quarta-feira o petista deixa pela primeira vez a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso desde abril, em direção à Justiça Federal. Lá, deve prestar depoimento à juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro, indicado para assumir o Ministério da Justiça.
As perguntas buscarão entender por que três fornecedores — o pecuarista José Carlos Bumlai e as empreiteiras OAS e Odebrecht — investiram 1 milhão de reais para reformar um sítio usado pelo ex-presidente nas horas de lazer. Se no caso do tríplex o ex-presidente foi preso afirmando nunca ter passado uma noite no imóvel, em Atibaia a ligação é mais clara: policiais encontraram remédios, roupas e objetos pessoais de Lula e Marisa no sítio, assim como depoimentos e mensagens que mostram a participação ativa da ex-primeira dama nas reformas.
Uma brecha a ser explorada pela defesa do ex-presidente é o fato de o Ministério Público Federal não ter conseguido comprovar ligação entre a compra do sítio por Fernando Bittar e Jonas Suassuna, e atos de corrupção na Petrobras.
O decorrer do processo de Atibaia deve ter reflexos para além de Curitiba. A oposição a Jair Bolsonaro seguirá explorando um suposto viés político da nomeação de Moro a seu governo. Já deputados e senadores petistas se pautarão na estratégia ditada por seu líder máximo para fazer oposição a Jair Bolsonaro. Importantes nomes do partido, como o senador Humberto Costa (PE) admitem até unir-se ao PSDB para tentar bloquear pautas mais polêmicas no campo social, como a Escola Sem Partido.
Mesmo preso, Lula foi protagonista nas eleições. Seu papel no próximo governo depende, em grande parte, dos desdobramentos de Atibaia.
Exame

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pau dos Ferros dispõe de Urologista semanalmente