domingo, 2 de dezembro de 2018

PROMOTOR QUER QUITAÇÃO DA FOLHA DOS SERVIDORES ESTADUAIS ATÉ O DIA 10 DE DEZEMBRO.

Em representação ao Procurador-Geral de Justiça, Fernando Krebs diz que cronograma de quitação da folha divulgado pelo Governo de Goiás afronta a Constituição Federal, além de caracterizar desobediência à ordem judicial.

O promotor de Justiça Fernando Krebs, titular da 57ª Promotoria de Defesa do Patrimônio, do Ministério Público de Goiás, oficiou ao Procurador-Geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres, em caráter de urgência, para que sejam tomadas as medidas necessárias e cabíveis para obrigar que o Governo de Goiás cumpra a ordem judicial que determina a quitação da folha dos servidores públicos estaduais até o dia 10 de dezembro, impreterivelmente.
De acordo com Fernando Krebs, é impensável que o chefe do executivo goiano descumpra a decisão do desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição, que obriga a quitação da folha de novembro dos servidores do fisco de Goiás até o dia 10 de dezembro, como manda a Constituição Federal.
Apesar disso, o Governo de Goiás divulgou cronograma de pagamento da folha de novembro indicando o dia 20 de dezembro como data para o provável depósito dos proventos referentes ao salário dos servidores da Secretaria da Fazenda do Estado, em flagrante afronta à Constituição e à ordem judicial emanada do Tribunal de Justiça de Goiás.
Krebs salienta que a receita do Estado não sofreu expressiva redução nos últimos meses e que por isso mesmo não é possível falar em falta de recursos para o cumprimento da obrigação de quitar a folha de salários dos servidores goianos, sobretudo porque os vencimentos têm natureza alimentar, devendo ter preferência sobre as demais despesas do governo.
O representante do Ministério Público quer que a decisão do desembargador Alan Sebastião se estenda a todos os servidores do Estado e informa ao PGJ que há informações de que o governo de José Eliton estaria privilegiando o pagamento de fornecedores “amigos” em detrimento da quitação da folha do funcionalismo.
Krebs informou, também, que idêntica representação estaria sendo feita ao Procurador-Geral da República, tendo em vista que, diante dos fatos, poder-se-ia estar diante do crime de desobediência de ordem judicial e, face ao foro que goza o representado, a atribuição para agir é do chefe do MPF.

Fonte: Cloves Reges Maia/NosOpinando

NOTA DO RNPOLITICAEMDIA:
Bem que o ilustre Procurador-Geral do RN, poderia fazer semelhante. Uma ação contra a irresponsabilidade gritante da gestão de Robinson faria. Em um país sério, este senhor já estaria numa situação muito pior. Em todos os aspectos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pau dos Ferros dispõe de Urologista semanalmente